06
Oct

Se atolar em dívidas ou economizar? Eis a questão…

google

Sabe aquele tipo de pessoa que gasta dinheiro sem se importar com o dia de amanhã? Essa pessoa era eu. Meu lema era esse “Se eu morrer hoje, morro feliz”. Vivi desse jeito por anos a fio e continuo aqui vivinha da Silva e mais lisa que piso molhado no inverno haha.

Comecei a trabalhar cedo. Meu primeiro emprego foi aos 16 anos em um supermercado da pequena cidade onde nasci e cresci. Além de não gostar de trabalhar com o público, era uma função ter que trabalhar e estudar. Lembro que gastei meu primeiro salário em menos de 24 horas. Me arrependi depois, mas gastei tudinho.

Pior do que ser consumista era gastar horrores com coisas que eu não precisava ou não ia usar por muito tempo. Se eu gostasse de um determinado sapato e meu número estivesse em falta, sabe o que eu fazia? Comprava um número maior ou menor que o meu e me lascava. Não preciso nem dizer que alguns sapatos causaram joanetes e outros eu tinha que encher as pontas com algodão senão eles caiam do pé. Eu também me apertava dentro das roupas e depois da primeira lavagem doava para a primeira pessoa que aparecesse na minha frente. Doentio né? O problema é que eu não podia ter dinheiro na carteira ou crédito no cartão que a mão coçava para gastar. Ir no shopping e não comprar nada? Nammm! Eu comprava nem que fosse uma tranqueira qualquer.

Até que fiquei doente entre a vida e a morte. Perdi tudo que havia conquistado até aquele momento. Fiquei no zero, literalmente. Quando sai do hospital (depois de alguns meses) a ficha caiu e, finalmente, consegui entender que tinha vivido uma vida de desperdícios e inutilidades. Não foi nada fácil recomeçar, mas graças a Deus eu consegui.

Depois do casamento e o início de uma nova vida aqui na Irlanda a veia consumista começou a pulsar novamente. Vamos combinar que morar na Europa tem suas facilidades né? Foi aí que meu marido colocou um pouco de juízo na minha cabecinha doida e me fez entender que eu podia ser feliz comprando de forma consciente. Hoje em dia vou nas lojas feito uma mocinha bem comportada, cof… cof. Quando vejo algo que gosto penso logo se vai combinar com as roupas que já tenho, se realmente preciso e, o mais importante, se vou usar. Depois disso respiro fundo e voilà.

Não vou mentir dizendo que me tornei a rainha da economia e tenho uma conta bancária beeem gordinha. De uma coisa tenho certeza, estou quase chegando lá! Antes de sair para as compras eu olho o meu armário para identificar o que preciso comprar. Para isso mantenho meu armário organizado (ou quase kkk). Resisto ao impulso e procuro investir em peças de qualidade que sejam confortáveis e versáteis. Compro peças que combinem com o que já tenho no meu armário. Vou no provador, experimento, verifico o caimento, modelagem e tamanho com muita calma. E, o mais legal disso tudo é que eu parei com aquela mania feia de comprar roupas e sapatos menores ou maiores que o meu tamanho só porque estão na promoção ou porque gostei muito. Também não me atolo mais em dívidas. Antes de ir as compras verifico meu orçamento e só compro aquilo que está dentro das minhas possibilidades.

Pensando bem acho que mereço um cartão de crédito sem limite (com limite ilimitado), né não? #brinks

Foto Google divulgação
26
Sep

E depois de tantas primaveras…


Sábado (23/09) foi meu aniversário. E depois de tantas primaveras, acho que passei da época de me preocupar com a idade. Lembro das vezes que surtei diante do espelho porque as marcas do tempo estavam cada vez mais visíveis. Uma ruguinha aqui, uma gordurinha ali, uma flacidez acolá, e lá se vai a juventude se escorrendo pelo ralo. Vamos combinar que não é tão fácil assim se aceitar envelhecendo, né? Tinha dias que eu passava horas sonhando em fazer muitas umas cirurgias plásticas e ficar toda esticadinha novamente. Passado o surto, deixei de me importar tanto com a aparência externa e passei a cuidar melhor do meu interior. Entendam, eu não estou dizendo que nunca farei uma cirurgia plástica, mas isso já não é mais uma prioridade na minha vida.

Muitas coisas aconteceram nesse ano que passou. Passei por momentos difíceis como o infarto do meu marido em novembro do ano passado, mas também tive momentos felizes como a cura (pela fé) comprovada do problema renal que eu tinha e o sumiço de dois cistos benignos na tireoide. Fiz novos amigos, conheci lugares incríveis, errei e acertei, sorri e chorei, algumas vezes me arrependi de ter falado demais e em outras de ter falado de menos, venci meus medos, quebrei paradigmas e aprendi que devo viver minha vida sem me importar tanto (ou quase nada) com a opinião alheia. Também perdoei mais e amei mais. 

Acho que na maturidade aprendemos a nos aceitar sem neuras. Os anos a mais indicam experiência e não devem ser encarados como algo ruim. Afinal de contas estamos vivas e saudáveis! Ao invés de ficar reclamando devemos agradecer a Deus por nossas vidas. Afinal de contas, acho que todas nós temos motivos de sobra para agradecer, seja pela saúde, família, sucesso, conquistas, por termos um lar e um cobertor quentinho para nos aquecer no inverno, pelo alimento que (bom ou ruim) não nos falta a mesa… e por todas as bênçãos que são derramadas em nossas vidas diariamente. 

Se eu pudesse dar um conselho as mulheres de 20, 30, 40, 50… diria para elas que aprendam a se aceitar e vivam suas vidas de forma intensa porque ela passa muito rápido. Reclame menos e agradeça mais. Ame mais, perdoe mais, sorria mais, brinque mais, se cuide mais, e seja feliz sem invejar os demais. Não seja tão dura consigo mesma porque as pessoas já fazem isso por você. Não fique fazendo comparações com os outros porque cada um de nós somos únicos e temos nossas próprias características que nos fazem diferentes uns dos outros. 

E que meus 39 anos seja de muitas bençãos, conquistas e livre de mimimi. 

PS: Esse post saiu atrasado porque essa semana foi puxada. A Zahrinha teve uma irritação no olho e precisou de 1000% da minha atenção. Graças a Deus já está tudo bem 🙂 

Foto 1 Tumblr, Foto 2 acervo pessoal 

11
Jul

Novidades são sempre bem vindas

Oi gente, tudo bem?

Depois de um longo recesso, cá estou eu novamente com algumas novidades. Eu já expliquei aqui no blog o porquê do meu afastando neste post: Compartilhando experiências. Às vezes é bom dar um tempo e voltar com novas idéias, né não?

A partir de agora irei escrever no blog com mais frequência, terei colaboradoras que irão me ajudar a trazer assuntos interessantes e diferenciados, irei postar mais looks do dia e um pouco sobre as cidades no interior da Irlanda, tem mais sorteios vindo por aí, vou criar coragem e começar a fazer vídeos (oremos!) e mais algumas novidades que não posso contar agora 🙂

IMG_4813

PS: Agora eu só quero viver toda trabalhada no lenço. Te mete kkkk.

vem me seguir no

@colorindoavidablog

Colorindo a Vida - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2017